Bilderberg Club, a organização secreta que decide o curso dos eventos mundiais


Pouco se sabe sobre as origens desta organização que foi pensada para secretamente controlar o curso diário dos principais eventos em grande parte do mundo. 
Alguns dizem que o grupo foi fundado no início dos anos 1950 pelo Príncipe Bernhard, dos Países Baixos, enquanto outros falam de reuniões realizadas na Universidade de Oxford, na Inglaterra, em 1940, alguns observadores chamam o grupo marxista, como outros o proclamam como o último bastião do capitalismo neo-imperial.

Quaisquer que sejam suas inclinações políticas, muitos associados do grupo pertencem também à COMISSÃO TRILATERAL e ao CONSELHO EXTRAORDINÁRIO DE RELAÇÕES ESTRANGEIRAS.

O grupo Bilderberg leva sua marca pública do Hotel Bilderberg em Oosterbeek, Holanda, onde os jornalistas descobriram a existência do grupo em 1954. 
Enquanto o grupo mantém uma sede em Leyden, ele não tem filiação formal, pelo contrário, convites secretos são enviados para candidatos adequados para sessões estratégicas anuais em resorts por todo o mundo. 

A Asia Times descreveu o grupo da seguinte maneira em maio de 2003, antes de se reunir em Versalhes:

O clube de Bilderberg é considerado por muitos da elite dos negócios como a alta câmara dos sumo sacerdotes do capitalismo. Você não pode se inscrever para uma associação desse tipo de clube. Todos os anos, um misterioso “comitê diretor” elabora uma lista de convites selecionada com um máximo de 100 nomes e os convidados raramente revelam sua participação.
Sua segurança é gerenciada pela inteligência militar.

Mas o que acontece nesse grupo secreto realmente 
?

Bem, eles falam, eles fazem lobby, eles tentam ampliar 
sua imensa influência política em ambos os lados do Atlântico e todos prometem absoluto sigilo 
sobre o que foi discutido.
O Bilderberg mistura banqueiros centrais, especialistas em defesa, barões da imprensa, ministros do governo, primeiros ministros, realeza, financiadores internacionais e líderes da Europa e América.


As reuniões são regularmente atacadas por manifestantes e críticos do evento que comparam o encontro a um "governo mundial sombrio", onde pessoas ricas e poderosas ditam como o resto do mundo vive. 


O deputado trabalhista e ex-vice-líder do partido, Denis Healey, membro do comitê de direção há mais de 30 anos, foi questionado pelo jornalista Jon Ronson em seu livro Them, em 2001.

Ele disse: 



Dizer que estávamos lutando por um governo mundial é exagerado, mas não totalmente injusto.

“Nós da Bilderberg sentimos que não poderíamos continuar lutando para sempre por nada e matando pessoas, deixando milhões de desabrigados. Por isso, sentimos que uma única comunidade em todo o mundo seria uma coisa boa ”.

As discussões são realizadas sob a regra da Chatham House, o que significa que os participantes podem discutir a reunião e as informações coletadas da reunião, mas não conseguem identificar nenhum dos palestrantes.

A lista de assuntos discutidos pelos membros é publicada antes da reunião, na tentativa de mostrar transparência.
No entanto, os teóricos da conspiração afirmam que o grupo está impondo uma nova ordem mundial, longe dos olhos do público.

Hoje algumas informações da organização são mais acessíveis e é possível saber nomes de pessoas que já passaram ou ainda pertencem ao clube, como o ex-presidente dos EUA Bill Clinton, o fundador da Microsoft Bill Gates, o magnata e banqueiro americano David Rockfeller, a chanceler alemã Angela Merkel, o príncipe Charles da Inglaterra, o chairman alemão do laboratório Bayer, 
Werner Baumann, o investidor e filantropo húngaro-americano George Soros, entre outros...

Enviar um comentário

0 Comentários