Cientistas de Oak Ridge estão tentando abrir um portal para universo paralelo

Photo by Lucas Benjamin on Unsplash

Se o "o universo-espelhado" existir, os próximos experimentos envolvendo partículas subatômicas poderão revelá-lo.


No Oak Ridge National Laboratory, no leste do Tennessee, a física Leah Broussard está tentando abrir um portal para um universo paralelo.

Ela chama isso de “oscilação” que a levaria a “espelhar a matéria”, mas a ideia é fundamentalmente a mesma. Em uma série de experimentos que ela pretende realizar em Oak Ridge neste verão, Broussard enviará um feixe de partículas subatômicas por um túnel de 15 metros, passando por um imã poderoso e entrando em uma parede impenetrável. Se a configuração estiver correta - e se o universo cooperar - algumas dessas partículas se transformarão em versões espelhadas de si mesmas, permitindo que elas passem pela parede. E se isso acontecer, Broussard terá descoberto a primeira evidência de um mundo espelhado ao lado do nosso.

"É muito louco", diz Broussard sobre sua exploração alucinante.



Leah Broussard studies subatomic particles at Oak Ridge National Laboratory
O mundo dos espelhos, supondo-se que exista, teria suas próprias leis da física-espelhada e sua própria história-espelhada. Você não encontrará uma versão espelhada de você mesmo (e nenhum Spock malvado com um cavanhaque - desculpe os fãs de "Star Trek"). Mas a teoria atual permite que você possa encontrar átomos espelhados e rochas espelhadas, talvez até espelhar planetas e estrelas. Coletivamente, eles poderiam formar um mundo de sombras inteiro, tão real quanto o nosso, mas quase completamente separado de nós.
Broussard diz que sua busca inicial pelo mundo dos espelhos não será especialmente difícil. "Este é um experimento bastante simples que nós montamos com peças que encontramos espalhadas por aí, usando equipamentos e recursos que já tínhamos disponíveis em Oak Ridge", diz ela. Mas se ela detectar inequivocamente até mesmo uma única partícula espelhada, isso provaria que o universo visível é apenas metade do que está lá fora - e que as leis conhecidas da física são apenas metade de um conjunto muito mais amplo de regras.

"Se você descobrir algo novo assim, o jogo muda totalmente", diz Broussard.


Dez segundos que abalaram a física


Como em muitas grandes buscas científicas, a busca por matéria de espelho surgiu de um pequeno mistério aparentemente esotérico. A partir dos anos 90, os físicos desenvolveram experimentos de alta precisão para estudar como os nêutrons - partículas encontradas no núcleo dos átomos - se transformam em prótons, um processo relacionado à radioatividade, mas esses experimentos tomaram um rumo estranho.


Os pesquisadores descobriram que os nêutrons criados em feixes de partículas, semelhantes ao que Broussard usará, duram 14 minutos e 48 segundos, em média, antes de "decair" em prótons. Mas os nêutrons armazenados em garrafas de laboratório parecem quebrar um pouco mais rápido, em 14 minutos e 38 segundos.


Dez segundos podem não parecer muito, mas a diferença real deve ser zero: todos os nêutrons são exatamente os mesmos, e seu comportamento não deve depender nem de onde ou como eles são examinados.


"Eu levo a discrepância muito a sério", diz Benjamin Grinstein, especialista em física de partículas da Universidade da Califórnia, em San Diego. “Não é apenas entre dois experimentos. É uma coleção de muitos experimentos feitos independentemente por vários grupos. Os mais novos experimentos, concebidos em parte para resolver o desacordo, "só pioraram a situação", acrescenta ele.

Fonte NBC News : https://www.nbcnews.com/mach/science/scientists-are-searching-mirror-universe-it-could-be-sitting-right-ncna1023206


Enviar um comentário

0 Comentários